História da Filogenia: uma análise dos livros didáticos aprovados pelo PNLD / 2015

Rogério Soares Cordeiro, Maria Castro Morini

Resumo


Pesquisadores de disciplinas clássicas em Ciências Biológicas, como Zoologia e Botânica, concordam que o ensino por filogenias é muito mais atraente aos estudantes. Isso porque, desse modo, é possível fazer uma abordagem comparativa da evolução, sem exageros de nomenclaturas e memorização. O objetivo deste trabalho é analisar os capítulos de livros aprovados pelo Programa Nacional do Livro Didático (PNLD/2015) que versam sobre Sistemática Filogenética, a fim de discutir a História da Filogenia. Foram analisadas 8 coleções didáticas de acordo com as categorias propostas por Bardin (2000). Os resultados indicam que todas as obras trazem as ideias darwinistas e fixistas de Lineu, porém, apenas 62,5% atribuem a Willi Hennig autoria da Sistemática Filogenética. Há avanços em relação aos conteúdos de Filogenia nos livros didáticos para o Ensino Médio, mas não se pode omitir seus aspectos históricos, pois, assim, professores e estudantes perceberão os avanços, discussões, erros e até mesmo inclinações dessa dinâmica ciência.

Palavras-chave: História da Filogenia; Sistemática; Ensino de Biologia; Livros Didáticos; Willi Hennig.

 

Abstract: Researchers on classical Biology teaching areas such as Zoology and Botany agree that the teaching through Phylogeny would be much more interesting to the students, because it is feasible to make a comparative approach of the evolution without overdoing nomenclatures and memorization. The objetive of this study is to analyse the chapters of textbooks approved by National Program of Didatic Book (PNLD/2015) which cover the Systematic Phylogeny in order to discuss its history. Eight textbooks have been analysed  according to the categories proposed by Bardin (2000). The results show that these textbooks contain Darwin’s  and Lineu’s fixist ideas. However, only 62,5% atribute to Willi Hennig, the authorship of Phylogeny. There are advances in relation to the contents of Phylogeny on High School textbooks, but historical aspects cannot be omitted. Thus, teachers and students will realize advances, discussions and errors and even tendencies to this dynamic science.

Key words: Phylogeny History; Sistematic Phylogeny; Biology Teaching; Textbooks; Willi Hennig.

 


Texto completo:

PDF

Referências


AMABIS, J. M.; MARTHO, G. R. Biologia em Contexto, v. 1, 2 e 3, 1.ed., São Paulo: Moderna, 2013.

AMORIM, D. S. Fundamentos de sistemática filogenética. Ribeirão Preto: Holos, 2002.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edição 70, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Médio e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC/SEMTEC, 2002.

BRASIL. Programa Nacional do Livro Didático. Ministério da Educação. Brasília, 2005. Disponível em:

BRASIL. Guia de livros didáticos. PNLD 2015 - Apresentação: Ensino Médio. Ministério da Educação. Brasília, 2014, p. 52.

BRÖCKELMAN, R. H. (org.). Conexões com a Biologia, v.1, 2 e 3, 1.ed., São Paulo: Moderna, 2013.

DONOGHUE, M.J.; J.W. KADEREIT. Walter Zimmerman and The Growth of Phylogenetic Theory. Systematic Biology, v.41, n.1, 1992, p.74-84.

ERESHEFSKY, M. The Evolution of The Linnean Hierarchy. Biology and Philosophy, v.11, 2002, p.423-433.

FUTUYMA, D. J. Biologia Evolutiva. 3.ed., Ribeirão Preto: Ed. FUNPEC, p. 829, 2009.

GUIMARÃES, M. A. Cladogramas e evolução no ensino de Biologia. 2005. 233f. Dissertação (Mestrado em Educação para Ciência) – Universidade Estadual Paulista (UNESP), Bauru, 2005.

HENNIG, W. Phylogenetic Systematics. Urbana. IL: University of Illinois Press, 1966.

HENNIG, W. Cladistic Analysis or Cladistic Classification? A reply to Ernst Mayr. Systematic Zoology, n. 24, 1975, p. 244-256.

HULL, D. L. The Role of Theories in Biological Systematics. Studies in the History and Phylosophy of Biological and Biomedical Sciences, v. 32, n. 2, 2001, p. 221-238.

JÚNIOR, C. S.; SASSON, S.; JÚNIOR, N. C. Biologia, v. 1, 2 e 3., 11ª ed., São Paulo: Saraiva, 2013.

KRASILCHIK, M. Prática de Ensino de Biologia. São Paulo: EDUSP, 2005.

LEITE, M. L. F. T. T. Muito além da Dolly: as “Novidades Científicas” em sala de aula. 2004. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, 2004.

LOPES, S; ROSSO, S. Bio, v. 1, 2 e 3, 2. ed., São Paulo: Saraiva, 2013.

LOPES, W. R.; VASCONCELOS, S. D. Representação e distorções conceituais do conteúdo “Filogenia” em livros didáticos de Biologia do Ensino Médio. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v. 14, n. 3, 2012, p. 149-165.

MARTINS, L. A-C. P. A história da Ciência e o ensino da Biologia. Ciência e Ensino, n. 7, 1998, p. 18-21.

MAZZOTTI, T. A verdade como consenso determinado pelas técnicas argumentativas. In: ENCONTRO: VERDADE: DA METAFÍSICA MODERNA AO PRAGMATISMO. GT PRAGMATISMO., 2005, Rio de Janeiro: Universidade Estácio de Sá.

MENDONÇA, V. L. Biologia: os seres vivos, v. 1, 2 e 3, 2.ed., São Paulo: A. J. S., 2013.

OSORIO, T. C. (org.). Ser protagonista: Biologia (Ensino Médio), v. 1, 2 e 3, 2.ed., São Paulo: Edições SM, 2013.

RIDLEY, M. Evolução. 3.ed., Porto Alegre: Artmed, 2006, p. 792.

RODRIGUES, M. E; JUSTINA, L. A. D.; MEGLHIORATTI, F. A. O conteúdo de sistemática filogenética em livros didáticos do Ensino Médio. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v. 13, n.2, 2011, p. 65-84.

ROQUE, I.R. Girafas, mariposas e anacronismos didáticos. Ciência Hoje, v. 34, 2003, p. 64-67.

SANTOS, C. M. D.; CALOR, A. R. Ensino de biologia evolutiva utilizando a estrutura conceitual da sistemática filogenética – I. Ciência & Ensino, v. 2, n. 1, 2007.

SANTOS, C. M. D.; KLASSA, B. Sistemática filogenética hennigiana: revolução ou mudança no interior de um paradigma? Scientiae Studia, São Paulo, v. 10, n. 3, 2012, p. 593-612.

SÃO PAULO, Secretaria do Estado da Educação. Proposta Curricular do Estado de São Paulo: Biologia – Ensino Médio, 2009.

SÉRGIO, L.; GEWANDSZNAJDER, F. Biologia hoje, v. 1, 2 e 3, 2ª.ed., São Paulo: Ática, 2013.

VASCONCELOS, S. D; SOUTO, E. O livro didático de Ciências no ensino fundamental: proposta de critérios para análise do conteúdo zoológico. Ciência & Educação, Bauru, v. 9, n. 1, 2003, p. 93-104.

WAIZBORT, R. Teoria social e biologia: perspectivas e problemas da introdução do conceito de história nas ciências biológicas. História, Ciência, Saúde, Manquinhos, RJ, v. 8, n. 3, 2001, p. 633-653.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.