A INTERCULTURALIDADE COMO CAMINHO PARA UMA PEDAGOGIA CRÍTICA NA CONSTRUÇÃO DE CURRÍCULOS À EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

Maria Tavares Machado

Resumo


Resumo

Neste artigo apresentamos um debate sobre a Educação Escolar Indígena e a adoção da interculturalidade como via política e crítica na construção dos currículos escolares atuais. A metodologia de análise compreende a revisão bibliográfica de autores que tratam desta temática nos campos da Educação, Antropologia e Etnolinguística. A interculturalidade crítica aqui proposta é aquela que rompe com a colonialidade do saber e do letramento, agregando a língua, cultura, ideias e valores da perspectiva indígena na alfabetização e em todo o contexto escolar. A hipótese defendida é a de que o bilinguismo intercultural pressupõe uma relação de respeito e compreensão, e que as competências linguísticas na oralidade e na escrita precisam ser amplamente desenvolvidas tanto em língua materna (L1) como na segunda língua (L2), de modo que o bilinguismo intercultural atue como moldura para o exercício da interculturalidade.


Texto completo:

ARTIGO NA ÍNTEGRA

Referências


ALMEIDA, Ronaldo. A geopolítica missionária e as relações interculturais. Disponível em: https://cebrap.org.br/pesquisas/a-geopolitica-missionaria-e-as-relacoes-interculturais/. Acesso em: 22 ago. 2021.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 22 ago. 2021.

BRASIL. Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Disponível em: https://bityli.com/9wmu7. Acesso em: 22 de ago. de 2021.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis (RJ): Vozes, 1994.

CHAUÍ, Marilena. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 2000.

D’ANGELIS, Wilmar da Rocha. Aprisionando sonhos: a educação escolar indígena no Brasil. Campinas: Editora Curt Nimuendajú, 2012.

DE PAULA, Aldir Santos. Educação escolar indígena e política linguística. Revista do GELNE, Natal (RN), v. 17, n. 1-2, p. 113-129, 2015.

DE PAULA, Aldir Santos Processos de manutenção e avivamento linguístico: o caso do Acre. In: Dermeval da Hora; Rubens Marques de Lucena (Org.). Política linguística na América Latina. João Pessoa: Ideia Editora Universitária, 2008, p. 171-183.

EDWARDS, John. Foundations of Bilingualism. In: BHATIA, Tej; RITCHIE, William. (Eds.). The Handbook of Bilingualism. Oxford: Blackwell, 2006, p. 7-31.

FUNAI. Política indigenista no Brasil: avanços e desafios. Brasília: Ministério da Justiça/Funai, 2012. Disponível em: http://www.funai.gov.br/arquivos/conteudo/presidencia/Politica%20Indigenista%20do%20Brasil.pdf. Acesso em: 23 ago. 2021.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.