O trabalho da Pastoral da Criança no apoio a mulheres e crianças em estado de vulnerabilidade em Mogi das Cruzes - SP

Caroline Gallo dos Santos, Cassia Regina da Silva Neves Custódio, Luci Mendes de Melo Bonini, Natália Luana Cunha Leite

Resumo


Neste artigo descreve-se o trabalho da Pastoral da Criança, instituição de ação social da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), unidade Mogi das Cruzes, São Paulo, Brasil. Objetivou-se compreender a percepção das mulheres atendidas referentemente ao trabalho da entidade, voltado tanto para as crianças quanto para elas próprias. Buscou-se conhecer um pouco mais sobre realidade cotidiana dessas mulheres, seu perfil socioeconômico, bem como suas fragilidades. A pesquisa teve caráter exploratório-descritiva, de abordagem quanti-qualitativa de corte transversal. A Pastoral da Criança tem contribuído para a estruturação e orientação das famílias acompanhadas pelas duas paróquias constituídas como objetos deste estudo.

Palavras chave: Pastoral da Criança; Mulheres em Estado de Vulnerabilidade; Ação Social.

 

Abstract: This study describes the work of a Child’s Pastoral, a social action institution of the Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, (CNBB), Mogi das Cruzes unit, São Paulo, Brazil. The purpose of this research was to understand the perception of the women attended by the work of the entity, carried out both with the children and with themselves. It was sought to know a little more about the daily reality of these women, their socioeconomic profile, as well as their fragilities. The study was an exploratory-descriptive in a quantitative-qualitative approach and cross-sectional research. The work of the Child's Pastoral has contributed to structuring and orientating these families in the two communities presented here. 

Key words: Child's Pastoral; Women in Vulnerability State; Social Action.


Texto completo:

PDF

Referências


ANJOS, Gabriele dos. Maternidade, cuidados do corpo e "civilização" na Pastoral da Criança. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.15, n.1, p.27-44, abr. 2007. Disponível em: . Acesso em: 19 nov. 2016

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, LDA, 2009

BARSTED, Leila L. e PITANGUY, Jaqueline. O progresso da mulher no Brasil: 2003-2010. Rio de Janeiro: CEPIA, Brasília: ONU Mulheres, 2011.

BRASIL. Atlas do desenvolvimento humano no Brasil: Mogi das Cruzes-SP. Disponível em: . Acesso em: 19 nov.2016.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Disponível em: . Acesso em: 19 nov. 2016.

BRASIL. Censo 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: acesso em: 05 de mar. 2015.

BRASIL. PNAD 2009 – Primeiras análises: investigando a chefia feminina de família. n.65. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Disponível em: . Acesso em 19 nov. 2016.

BRASIL. Lei 6683 de 28 de agosto de 1979. Lei da Anistia. Palácio do Planalto: Presidência da República. Disponível em: . Acesso em 19 nov. 2016.

BRASIL. Lei 9100 de 29 de setembro de 1995. Palácio do Planalto: Presidência da República. Disponível em: . Acesso em 19 nov. 2016.

BRASIL. Lei 11.340 de 7 de agosto de 2006. Palácio do Planalto: Presidência da República. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2016.

BRASIL. Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República Plano nacional de política para as mulheres: 2013-2015. Disponível em: acesso em: 04 de mar. 2015.

BRASIL. II Plano nacional de políticas para as mulheres: 2013-2015. Compromisso e atitude: Lei Maria da Penha. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2016.

BRITO, Flávio dos Santos. Mulher chefe de família: um estudo de gênero sobre a família monoparental feminina. Revista Urutágua, Maringá, n.15, abr./jul. 2008.

AYRES, José Ricardo de Carvalho; FRANÇA JR., Ivan; CALAZANS, Gabriela Junqueira; SALETTI FILHO, O. Conceito de vulnerabilidade e as práticas de saúde: novas perspectivas e desafios. In: CZERESNIA, Dina e FREITAS, Carlos Machado (org.) Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2016

GROSTEIN, Marta. Metrópole e expansão urbana: a persistência de processos insustentáveis. São Paulo: Perspectiva, 2001.

KOGA, Dirce. Aproximações sobre o conceito de território e sua relação com a universalidade das políticas sociais. Rev. Serv. Soc, Londrina, v.16, n.1, p.30-42, jul./dez. 2013. DOI: 10.5433/1679-4842, v.16, n.1, p.30, 2013.

VEJA ON LINE. Infância no Brasil apresenta novos desafios: a contribuição da Pastoral da Criança ajudou a mudar o panorama da situação da infância nas últimas décadas. Revista Veja Online. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2016.

PASTORAL DA CRIANÇA. Quem somos. Disponível em: . Acesso em 19 nov. 2016.

SANTOS, Aline T. dos. Famílias chefiadas por mulheres: permanências e rupturas com as tradicionais concepções de gênero. Sem. Internacional Fazendo o Gênero 8, Corpo, Violência e Poder. Florianópolis, 25 a 28 de ago. 2008. Disponível em: . Acesso em: 19 nov. 2016.

UNWOMAN. United Nations entity for Gender Equality and the Empowerment of Women. Convention on the Elimination of all Forms of Discriminations Against Women. Disponível em: . Acesso em: 19 nov. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.