5. Youtubers: a nova geração de influenciadores

Carolina Kiuchi, Jennifer Oliveira Silva, Letícia R. Riente Gomes

Resumo


O advento da internet e das redes sociais, além de permitir que pessoas estivessem conectadas 24 horas por dia, possibilitou maior liberdade para que diversos usuários expressassem suas opiniões e abriu espaço para produção de conteúdo caseiro e original. Estudiosos como Pierre Lévy (2002) previram que os sites da internet trariam crueza de conteúdo, necessidade de expor opiniões e detalhes da vida íntima, como forma de busca do ser humano pela celebridade. O Youtube proporcionou uma maneira divertida e interativa para isso: os chamados youtubers e/ou influenciadores digitais são referências e inspirações para os jovens da geração conectada. Neste artigo pretendeu-se demonstrar que os detentores de canais do Youtube, com milhões de seguidores, são verdadeiros formadores de opinião entre os jovens, mais influentes ainda do que celebridades da televisão.

Palavras-chave: Internet; Youtube; Formadores de Opinião; Geração Z.

 

Abstract: The advent of the internet allowed people to be connected 24 hours a day, besides that it provided more freedom to a lot of users to express their opinion and opened space to produce homemade and original content. Philosophers such as Pierre Lévy (2002) predicted that Internet sites would provide a raw content, a necessity of expose user’s opinions and details of their private life as way of seeking recognition. Youtube has provided a fun and interactive way of doing that: those called youtubers/ digital influencers are reference and inspirations for young boys and girls who belong to the connected generation. This article intends to discuss that such Youtube channel holders, with more than millions of followers, are the influencers of the young generation, more than television celebrities.

Keywords: Internet; Youtube. Influencers; Generation Z.


Texto completo:

PDF

Referências


BELTRÃO, Luiz. Folkcomunicação. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.

CERVO, Amado Luiz. Metodologia científica. 6.ed., São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

CRESCI, Elena. Lonelygirl15: How One Mysterious Vlogger Changed the Internet. The Guardian. Disponível em: https://www.theguardian.com/technology/2016/jun/16/lonelygirl15-bree-video-blog-youtube. Acesso em: 4 mar. 2017.

ENTENDA o que é um vlog. Cinetecétera.

Disponível em: http://cinefilos.jornalismojunior.com.br/entenda-o-que-e-um-vlog/.

Acesso em: 10 abr. 2017.

ESTATÍSTICAS. Youtube. Disponível em: https://www.youtube.com/yt/press/pt-BR/statistics.html. Acesso em: 4 mar. 2017.

GADINI, Sérgio Luiz; WOITOWICZ, Karina Janz. Noções básicas de folkcomunicação: uma introdução aos principais termos, conceitos e expressões. UEPG, 2007.

GLOBAL Mobile Advertising Expenditure to Overtake Desktop in 2018. Zenith: The ROI Agency. Disponível em: https://www.zenithmedia.com/global-mobile-advertising-expenditure-overtake-desktop-2018/. Acesso em: 31 mar. 2017.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Editora Aleph, 2008.

LÉVY, Pierre. Ciberdemocracia. 2.ed., São Paulo: Instituto Piaget, 2002.

MATSUKI, Edgard. Saiba o que significa viral na Internet. Tecmundo. Disponível em .

Acesso em: 4 mar. 2017.

MENDONÇA, Heloísa. Conheça a Geração Z: nativos digitais que impõem desafios às empresas. El País. Disponível em: . Acesso em: 4 mar. 2017.

O QUE é a Geração Z. Tecmundo. Disponível em: https://www.tecmundo.com.br/curiosidade/2391-o-que-e-a-geracao-z-.htm.

Acesso em: 24 mar. 2017.

OLIVEIRA, Gustavo Medeiros. Geração Z: uma nova forma de sociedade. Disponível em: http://br.monografias.com/trabalhos3/geracao-z-nova-forma-sociedade/geracao-z-nova-forma-sociedade.shtml. Acesso em: 24 mar. 2017.

PALFREY, John; GASSER, Urs. Born Digital: Understanding the First generation of digital natives. Nova York: Basic Books, 2008.

PESQUISA Brasileira de Mídia - PBM 2015. Secretaria Especial de Comunicação Social. Disponível em: http://www.secom.gov.br/atuacao/pesquisa/lista-de-pesquisas-quantitativas- e-qualitativas- de-contratos- atuais/pesquisa-brasileira-de-midia- pbm-2015.pdf/view. Acesso em: 31 mar. 2017.

PESQUISA revela a intimidade dos brasileiros com o Youtube. Think with Google. Disponível em: https://www.thinkwithgoogle.com/intl/pt-br/articles/intimidade-dos-brasileiros-com-youtube.html. Acesso em: 20 mar. 2017.

PINHO, J. B. Jornalismo na internet: planejamento e produção da informação on-line. São Paulo: Summus Editorial, 2003.

SANTOS, Roberto Elísio dos; VARGAS, Herom; CARDOSO, João Batista F. Mutações da cultura midiática. Coleção Comunicação & Cultura. São Paulo: Paulinas, 2009

SECORD, F. Paul; BACKMAN, W. Carl. Social Psycology. McGrahan-Hill, 1964.

SILVA, Sérgio. Os mais influentes da TV e da Internet. Meio e Mensagem. Disponível em http://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2016/09/30/as-personalidades-mais-influentes-da-internet-e-da-tv.html. Acesso em: 04 mar. 2017.

SKINNER, Burrhus Frederie. Sobre o behaviorismo. 10 ed., São Paulo: Cultrix, 2006.

TEIXEIRA, Hélio. O que é influência social. Hélio Teixeira. Disponível em http://www.helioteixeira.org/psicologia-social/o-que-e-influencia-social/. Acesso em: 04 mar. 2017.

VENTURA, Felipe. Um breve histórico de como o Youtube ganhou a internet. GizModo. Disponível em: http://gizmodo.uol.com.br/inicio-historia-youtube/.

Acesso em: 03 abr. 2017.

YOUTUBE Stats. Social Blade. Disponível em: https://socialblade.com/youtube/. Acesso em: 15 abr. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.